UFPB

 

História Geral e do Brasil

Espaço, Sociedade e Estado

19. Leia o texto abaixo:

“[...] o primeiro pressuposto de toda a existência humana e, portanto, de toda a História, é que os homens devem estar em condições de viver para poder ‘fazer história’. Mas, para viver, é preciso antes de tudo comer, beber, ter habitação, vestir-se e algumas coisas mais. O primeiro ato histórico é, portanto, a produção dos meios que permitam a satisfação destas necessidades, a produção da própria vida material, e de fato este é um ato histórico, uma condição fundamental de toda história, que ainda hoje, como há milhares de anos, deve ser cumprido todos os dias e todas as horas, simplesmente para manter os homens vivos.”

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987, p. 39.

As análises históricas de Marx (1818-1883), pensador alemão, exerceram e ainda exercem grande influência nas ciências humanas e sociais, entre elas, a História.

Sobre a concepção marxista de História, identifique com V a(s) afirmativa(s) verdadeira(s) e com F, a(s) falsa(s):

( ) A concepção da luta de classes como motor da História foi atribuída indevidamente ao marxismo, para o qual as transformações históricas decorrem apenas das ações dos indivíduos.

( ) O marxismo defende, teoricamente, uma postura neutra do historiador diante da sociedade e do conhecimento produzido sobre a mesma e, assim, nega validade prática a sua própria concepção.

( ) As sociedades, para Marx, não podem ser compreendidas sem um estudo pormenorizado de sua base econômica, e esse entendimento significa a análise da sua organização material para a produção da sobrevivência humana.

( ) Os marxistas são ardorosos defensores do fim da história, pois essa tese representa a culminância do desenvolvimento humano, com a glorificação da sociedade de mercado e da democracia liberal.

( ) A História, para Marx, é feita por todos, principalmente os trabalhadores, e essa concepção rompia com a idéia, bastante comum no século XIX, de uma História feita apenas pelos “grandes homens”.

A seqüência correta é:

a) VVFVV c) FVVFV e) FFFVF

b) VFFVF d) FFVFV

20. A periodização é uma operação intelectual obrigatória no ofício dos historiadores, pois eles trabalham com as experiências humanas (individuais e coletivas) no tempo.

Sobre esse tema, leia o texto abaixo e preencha corretamente as lacunas:

A periodização é um recurso ________ utilizado pela História-conhecimento e que serve, entre outros elementos, para construir a narrativa historiográfica, agrupando os acontecimentos históricos em épocas, idades, períodos. Não há um critério _______ para estabelecer os recortes temporais, mas a hegemonia econômica, política e cultural da Europa Ocidental fez com que a periodização mais usual em circulação fosse aquela balizada pelo nascimento de Cristo. No entanto, atualmente, o ________ é criticado porque ignorou as trajetórias históricas de outras culturas.

As lacunas são preenchidas, respectivamente, por:

a) universal/metodológico/eurocentrismo

b) universal/relativista/multiculturalismo

c) metodológico/ relativista /eurocentrismo

d) didático/relativista/multiculturalismo

e) metodológico/ universal/ eurocentrismo

21. Os arqueólogos dividem a Pré-História humana em vários períodos, de acordo com as características tecnológicas e com as formas de exploração da natureza. Com relação a um desses períodos, o Paleolítico, é correto afirmar:

a) Os sítios arqueológicos do Paleolítico caracterizam-se pela existência de grandes casas de madeira, às vezes, acompanhadas de pequenos “altares” de pedra, demonstrando, assim, a presença de um pensamento religioso.

b) Os homens iniciaram a domesticação de cabras e ovelhas, fazendo uso da lã e do leite, e confeccionando roupas de couro para enfrentarem o rigoroso clima glacial.

c) Os homens viviam da caça e da coleta, utilizando instrumentos de pedra lascada, madeira e osso, vestindo peles de animais nas regiões mais frias, e elaborando belíssimas pinturas nas paredes das cavernas.

d) O homem começou, de forma ainda rudimentar, a trabalhar com metais, como o ferro e o ouro, deixando alguns belos ornamentos pessoais e iniciando a fabricação de armas e instrumentos mais eficientes.

e) Os homens já cultivavam algumas plantas, como o trigo e a cevada, armazenando sua pequena produção em recipientes muito simples, feitos de palha e madeira.

22. Leia, abaixo, o trecho da Oração Fúnebre de Péricles.

“Vivemos sob uma forma de governo que não se baseia nas instituições de nossos vizinhos; ao contrário, servimos de modelo a alguns ao invés de imitar outros. Seu nome, como tudo depende não de poucos mas da maioria, é democracia. Nela [...] não é o fato de pertencer a uma classe, mas o mérito, que dá acesso aos postos mais honrosos [...]” TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso, Tradução de Mário da Gama Kury. 3 ed. Brasília: Editora da UNB, 1987, p. 98.

Com base no texto e nos conhecimentos relativos à democracia ateniense, identifique com V a(s) afirmativa(s) verdadeira(s) e com F, a(s) falsa(s):

( ) A democracia ateniense não permitia a participação de todos os habitantes da cidade, abrindo-a apenas aos cidadãos do sexo masculino.

( ) Os escravos eram considerados estrangeiros, permanecendo assim, mesmo após obtida a liberdade.

( ) As mulheres não tinham participação política, ficando limitadas às atividades domésticas, sob rígida vigilância de seus pais e maridos.

( ) As bases da democracia foram lançadas por Drácon, dividindo os cidadãos em classes, de acordo com suas rendas.

( ) O regime democrático ateniense disseminou-se por várias cidades gregas, a exemplo de Tebas e Corinto.

A seqüência correta é:

a) VVVFF c) VFVFV e) FFVVV

b) VVFFF d) FVVVF

23. Leia o texto abaixo:

Na República Romana, o Estado foi organizado por um conjunto de instituições: Senado, magistraturas e Assembléias do povo ou Comícios. O Senado supervisionava as finanças públicas e a administração das províncias, conduzia a política externa, zelava pelas tradições e a religião. Os Cônsules eram os principais magistrados, comandavam o Exército, dirigiam o Estado, convocavam o Senado e presidiam os cultos públicos. Os Comícios eram organizados por: tribos (assembléia tributa, que nomeava questores e edis); classes, de acordo com a fortuna (assembléia centuriata, que elegia os cônsules e votava as leis); clãs (assembléia curiata, que decidia sobre matérias religiosas).

Com base no texto e nos conhecimentos históricos relativos à República Romana, é correto afirmar:

a) A distribuição do poder entre as várias instituições republicanas objetivava impedir a sua concentração em uma só pessoa.

b) A res publica (coisa pública), em seus primórdios, não discriminava os habitantes de Roma, todos, indistintamente, partícipes do poder com os mesmos direitos.

c) O povo, o conjunto de cidadãos romanos sem direito político algum, era mero espectador das disputas entre os Cônsules e o Senado.

d) O poder dos Cônsules era limitado às ques-tões militares, sem influência alguma sobre os negócios públicos.

e) O Exército, na República Romana, não tinha papel político ativo, exceto como defensor da participação do povo, devido à origem popular dos seus generais.

ATENÇÃO: As questões de 24 a 26 apresentam mais de uma afirmativa correta. Preencha na FOLHA DE RESPOSTA apenas os espaços (bolhas) correspondentes às afirmativas corretas.

24. O mapa, a seguir, representa o Império Romano na transição entre os séculos IV e V d.C, por-tanto, já em sua fase de crise final.

Adaptado de: <http://wps.ablongman.com/wps/media/objects/262/268312/art/figures/KISH_ 06_140a.gif>. Acesso em: 27 jul. 2008.

No período ao qual o mapa se refere, o Império fragmentou-se em vários reinos, oriundos das in-vasões bárbaras. Sobre esse processo de crise e transição, identifique as afirmativas corretas:

I. A fase final do Império Romano foi mar-cada pela ruralização, que substituiu, gra-dualmente, o escravismo pelo colonato. Neste sistema, os camponeses que cultiva-vam terras de grandes proprietários rece-biam proteção e parte dos rendimentos.

II. Os “bárbaros” eram, em sua maioria, povos de línguas germânicas, que viviam nas fron-teiras do Império. Muitas vezes, lutavam juntamente com os romanos como federados, condição essa que os obrigava a cederem soldados em troca de terras.

III. A causa imediata das invasões germânicas foi a pressão dos Hunos, um povo de cava-leiros e arqueiros que era aparentado aos mongóis. Os Hunos, que chegaram à Eu-ropa no século IV d.C, foram derrotados por uma aliança romano-germânica.

IV. A maior parte dos povos germânicos que realizaram as invasões já não vivia em socie-dades “primitivas” no século V d.C. Eles já possuíam diferenças socioeconômicas e uma elite aristocrática, que aderiu a uma forma herética do cristianismo, o arianismo.

V. A principal invasão ao Império Romano foi feita pelos anglo-saxões, que saquearam Roma (410 d.C). Os anglo-saxões, que construíram um reino independente no norte da África, caracterizavam-se pela pre-sença de uma poderosa marinha de guerra.

25. A imagem abaixo está em um mosaico da igreja de San Vitale, na cidade de Ravena, na Itália. A figura é de influência cultural bizantina e representa o imperador Justiniano cercado de cortesãos.

Grandes Impérios e Civilizações. Grande Atlas da História Universal. Tradução da edição espanhola das Edições del Prado. Edição 10, Fascículo 3, p. 40.

O Império Romano do Oriente tinha como capi-tal Constantinopla. Originou-se da divisão do Império Romano em 395 d.C e, no período me-dieval, passou a ser mais conhecido como Impé-rio Bizantino, perdurando cerca de mil anos, até 1453 d.C, quando foi dominado pelos turcos. A sua longa duração produziu uma civilização que deixou uma herança cultural com repercussões significativas até os dias atuais.

Da herança cultural bizantina fazem parte:

I. O Corpus Juris Civilis, uma compilação da le-gislação e jurisprudência romanas e, tam-bém, bizantinas, base do direito civil mo-derno em muitos países.

II. A atitude iconoclasta, contra a adoração de imagens nas igrejas, contribuição de consi-derável influência sobre o catolicismo oci-dental.

III. A religião cristã ortodoxa, decorrente do chamado Cisma do Oriente, devido a disputas político-religiosas com o Papado de Roma.

IV. A organização de uma cultura artística laica, desvinculada da religião, especialmente na pintura dos ícones e na arquitetura.

V. A separação entre Igreja e Estado, ardorosa-mente defendida pelos adeptos do Estado laico, concepção política decisiva na forma-ção do Estado ocidental moderno.

26. Por volta dos séculos X e XI, a organização do espaço feudal da Europa Ocidental começou a ser reconfigurada por transformações de cunho econômico, social, político e cultural, que foram afetando os modos de vida das pessoas. Muitos historiadores denominam o período, até o século XV, de crise do feudalismo.

Sobre esse período e os processos de mudanças que o caracterizaram, leia as afirmativas abaixo e identifique as corretas:

I. A interrupção da expansão muçulmana no Ocidente europeu possibilitou a retomada da navegação no Mar Mediterrâneo, expan-dindo as atividades comerciais através de rotas que articulavam o Oriente Médio, a Península Itálica e o norte da Europa.

II. O crescimento demográfico e do comércio provocou a alta dos preços dos alimentos, desencadeando uma expansão das fronteiras agrícolas, que resultou em alterações ambi-entais, com a derrubada de florestas e a dre-nagem de pântanos.

III. O crescimento demográfico afetou o poder territorial da nobreza com a abolição do di-reito do primogênito à herança das terras paternas, beneficiando os demais filhos, o que resultou na fragmentação da proprie-dade feudal.

IV. O crescimento demográfico e a alta dos pre-ços dos alimentos levaram ao aumento dos tributos pagos pelos servos, implicando na expulsão da população excedente dos feu-dos, que expressou sua insatisfação me-diante assaltos, pilhagens e revoltas.

V. O Renascimento Comercial acarretou o crescimento de burgos, ao longo de rotas e em lugares de comércio, atraindo os servos, dos feudos para esses núcleos urbanos nas-centes, os quais, todavia, permaneceram sempre dependentes dos senhores feudais.